Notícias

Belcinto é Campeã da Sustentabilidade

terça-feira, 13 de dezembro de 2022
Marca vence prémio SME EnterPRIZE
Belcinto é Campeã da Sustentabilidade

A Belcinto acaba de vencer o Prémio SME EnterPRIZE, a primeira edição dos prémios promovidos pela Tranquilidade. A empresa de marroquinaria foi a grande vencedora nacional na área da sustentabilidade, tendo o júri atribuído, ainda, duas menções honrosas à Promecel e à ALGAPlus.

O SME EnterPRIZE | Prémio Europeu de Sustentabilidade para PME é uma iniciativa da Tranquilidade e do Grupo Generali, em parceria com o Correio da Manhã e a revista SÁBADO, e visa distinguir e dar voz às PME mais sustentáveis a atuar em Portugal, promovendo o seu mérito e melhores práticas.

“Queremos incentivar modelos de negócio sustentáveis e dar visibilidade às PME que desenvolvem boas práticas de sustentabilidade. E vamos criar um espaço de inspiração, partilha de ideias e debate público”, pode ler-se no site do concurso.

BELCINTO: UMA QUESTÃO DE PROPÓSITO
A história da Belcinto remonta a 1961 com a produção de pequena marroquinaria para o mercado nacional. Hoje, a empresa exporta a totalidade da exportação, com especial enfoque para os países europeus e para o Japão. E a sustentabilidade é “um caminho sem retorno”. Para a marca é “uma exigência do negócio. Hoje, numa perspetiva mais alargada, a Belcinto procura confluir os vetores pessoas, produtos e ambiente e orgulha-se de ser uma empresa com propósito”, diz a empresa de S. João da Madeira em comunicado.

O propósito é muito abrangente e começa nos produtos. “A empresa não trabalha com sintéticos e sempre fez peças para durar uma vida, razão pela qual recebe pedidos de reparação com 30 ou 40 anos, aos quais atende sem custos, oferecendo uma garantia ilimitada.

A Belcinto foi a primeira empresa do seu setor a ter uma certificação ambiental, fazendo – por isso – uma rigorosa medição da pegada ambiental e das emissões geradas. A redução do consumo de energia, de água, de desperdícios e de resíduos são focos da empresa. Este ano a empresa reduziu
em cerca de 40% o consumo de energia e alterou o processo produtivo investindo na substituição de materiais ou outros mais ecológicos.

Mas as preocupações não ficam por aqui. As pessoas são um dos vetores mais relevantes para Ana Maria Vasconcelos e as políticas de inclusão e responsabilidade social estão na base da empresa.

LEATHER GOODS BY BELCINTO
Apoiada na história e na experência acumulada, a Belcinto lançou a marca Leather Goods by Belcinto. “Na Leather Goods impusemo-nos um objetivo sério, difícil e exequível: produzir apenas a partir dos restos de matéria-prima de outras coleções reaproveitando-os e usando-os integralmente, sem gerar novas “sobras no processo”, revelou a administradora da Belcinto.

“Isso obrigou-nos – continuou - a pensar o design com rigor, a inventar novas composições e combinações que mantenham o apelo aos consumidores, a arriscar e a desafiar a criatividade da equipa, partindo de uma ideia que nos é querida - olhar para uma peça em todo o seu potencial, satisfazer de forma cabal as questões de funcionalidade sem deixar de agradar e até surpreender os consumidores, mantendo-nos atuais, mas sem concessões na sustentabilidade”. Para o lançamento da nova marca, a Belcinto olhou “para as matérias-primas e acessórios há muito parados, como se olha longamente para um tesouro, sabendo o seu valor.

Experimentamos, recombinamos, pusemos outras hipóteses”, revelou. “Olhamos para o desperdício como aquilo que ele é – capital com potência à espera de ser aplicado”.  Ana Maria Vasconcelos adianta que “o resultado é uma linha profundamente original, com as raízes plantadas no que fizemos antes. Uma linha inusitada e carregada do nosso saber fazer e da nossa história”. Trata-se, de resto, “de um trabalho que nos divertiu e nos fez sentir que estávamos a fazer o que era certo”. Para a responsável da Belcinto “as coisas boas nascem das dificuldades que o processo coloca, da necessidade de fazer com o que se tem, da determinação em fazer durar o que se põe no mercado. Para nós, só fazem falta coisas a que nos ligamos e reforçam o sentido e propósito das nossas vidas e desta empresa”.

Fonte: APICCAPS

285

Voltar

Relacionado