Notícias

Ataque os joanetes com a Teste Saúde

segunda-feira, 12 de julho de 2010
Ataque os joanetes com a  Teste Saúde

Desde o mais pequeno calo aos casos mais graves de joanetes, dois terços dos portugueses já sofreram de um problema nos pés.
O joanete é uma deformação do dedo grande. A cabeça do metatarso, topo do osso sobre o qual assenta, torna-se mais saliente. Dor e dificuldade em andar e usar certo tipo de sapatos são os sintomas. Na maioria dos casos, a origem do problema está no uso de saltos altos e calçado apertado. A combinação dos dois factores é a mais perigosa.

O tamanho não é proporcional à dor. Muitas vezes, um pequeno joanete causa dores fortes, enquanto um grande pode não provocar sofrimento. Prefira sapatos que não exerçam pressão na zona afectada. Macios, maleáveis, sem costuras internas, com biqueira arredondada e salto entre 2 e 2,5 centímetros, os sapatos semi-ortopédicos reduzem a dor. Os acessórios ortopédicos, disponíveis em farmácias ou lojas da especialidade, também ajudam.

Alguns tratamentos não invasivos permitem aliviar a dor e impedir o agravamento do joanete, mas nenhum mostrou eficácia completa. É o caso dos protectores de joanetes, dos correctores interdigital, nocturno e digital, e da cinta com almofada metatársica. Destinam-se a evitar a fricção com o calçado ou a alinhar os dedos e, assim, a diminuir a dor.
Por vezes, a cirurgia é a única solução. Três situações justificam a intervenção: dor, ineficácia do tratamento convencional e agravamento acelerado do problema, mesmo sem dor. O tipo de operação depende do grau da deformidade, da idade, do nível de actividade física e da experiência do cirurgião. Problemas cardiovasculares ou pulmonares, infecções ou artroses podem ser factores de risco. Quando ambos os pés estão afectados, o paciente pode escolher entre operar os dois de imediato ou um de cada vez, com um intervalo de 6 meses, por exemplo, mas o melhor é consultar um especialista. A vertente estética não deve estar na base da decisão. O pós-operatório pode ser longo e doloroso, sobretudo se for necessário engessar.

Ainda assim, a cirurgia nem sempre resolve. Cerca de 25 a 33% dos pacientes continuam insatisfeitos, mesmo quando o nível de deformação do pé e a dor diminuem. Informe-se sobre as vantagens e inconvenientes da intervenção.
Dicas e conselhos em:
www.deco.proteste.pt;
Tel.: 808 780 050
? Depois de lavar os pés, seque bem o espaço entre os dedos, para evitar maceração e infecções. Corte as unhas, mas não muito curtas. Não apare nos cantos ou nos lados, para evitar que fiquem cravadas na pele.
? Prefira calçado adequado ao tamanho dos pés e com espaço suficiente para os dedos. Vá às compras ao fim do dia, quando os pés estão mais inchados.
? Use calçado adaptado ao tipo de actividade. Por exemplo, na prática de desporto, opte pelos ténis certos. Não calce o mesmo par de sapatos durante muitos dias seguidos.
 

Fonte: DN Ciência, 12.Jul2010

2001

Voltar